topo Alergolatina

conheça os principais e como atuam no organismo

O que caracteriza uma pessoa alérgica é sua capacidade de se sensibilizar, isto é, tornar-se alérgica a uma determinada substância. Veja aqui as substâncias que mais comumente causam reações e doenças alérgicas.

 
Ácaros e Poeira - Alergolatina

ácaros e poeira domiciliar

 

A poeira domiciliar não é apenas uma única substância, mas um acúmulo de matérias vivas e inertes. Entre os componentes da poeira estão:

  • Fibras de tecidos

  • Substâncias minerais

  • Restos alimentares

  • Fragmentos e fezes de barata e outros insetos

  • Escamas de pele humana e animal

  • Pólens de plantas

  • Ácaros e fezes destes

  • Bactérias

  • Fungos (mofo)

 

De todos esses, os ácaros são os maiores responsáveis pelos sintomas alérgicos. Na poeira domiciliar podem ser encontrados em média uns 500 ácaros por grama, que se desenvolvem em clima preferencialmente úmido.

 

No inverno brasileiro, período de maio a outubro, predomina um clima moderadamente frio, com umidade relativa do ar entre 65 e 80% e com temperaturas variando entre 25 e 28 graus, sendo um clima ideal para o desenvolvimento dos ácaros. Por esse motivo, os alérgicos costumam piorar nessa época do ano.

 

O ácaro é um inseto minúsculo, pertencente à família dos aracnídeos, como as aranhas e escorpiões. Ele é semitransparente, com um tamanho aproximado de 0,3mm. e, portanto, invisível a olho nu, só podendo ser visualizado através de microscópios. Existem mais de 50.000 espécies de ácaros, de todas elas as que mais se destacam são: Dermatophagoides pteronyssinus, Dermatophagoides farinae e Blomia tropicalis. Nos países de clima mais quente predomina a Blomia tropicalis.

 

Os ácaros se alimentam principalmente de descamações de pele humana (caspas). Dermato significa pele e fagóide, comedor: Dermatofagóide, comedor de pele. Mofos, restos de alimentos e outras substâncias orgânicas também servem de alimentos para o ácaro. Uma pessoa adulta elimina em média 5 gramas de caspas por semana, sendo 0,5 a 1,0 grama no leito, o que explica os sintomas mais intensos dos asmáticos, no período noturno (1 grama de caspa pode sustentar milhares de ácaros). Os colchões e os travesseiros são, portanto, cemitérios de gerações e gerações de ácaros.

 

Os fragmentos dos corpos dos ácaros mortos e suas fezes é que provocam as crises alérgicas.

 

Os corpos dos ácaros mortos e suas fezes, quando secas, quebram-se tornando um pó fino que se deposita nas fibras dos carpetes, colchões, estofados, agasalhos, cobertores, etc. Quando sacudimos um tapete ou sentamos em um sofá, provocamos a suspensão desse pó, que fica flutuando e penetra nas vias respiratórias do alérgico, desencadeando tosse, espirro, coceira nasal, lacrimejamento e/ou crise de asma.

 

A poeira de rua e estrada, de modo geral, não é alergizante, pois é composta essencialmente de partículas de terra, que atuam somente como irritantes do aparelho respiratório.

Fungo e Mofo - Alergolatina

fungos (mofos)

 

Os fungos são seres vivos com ampla diversidade e que muitas vezes são confundidos com os vegetais. Esses seres são mais conhecidos como mofos, bolores, cogumelos, leveduras ou fermentos.

 

O ar está sempre carregado desses fungos, particularmente nos dias úmidos e em ambientes fechados. Casas antigas, úmidas ou mal ventiladas; regiões próximas ao mar e locais com carpetes são onde mais comumente aparecerem fungos.

 

Geralmente os pacientes que dizem ter alergia à umidade são sensíveis aos fungos do ar ou à poeira, “enriquecida” pelo desenvolvimento dos próprios fungos ou de ácaros.

Mosquito, Pulga e Carrapato - Alergolatina

mosquitos, pulgas e carrapatos

 

Os mosquitos, as pulgas e os carrapatos são insetos sugadores de sangue (hematófagos) que, ao picarem os seus portadores, acabam por deixar substâncias que podem provocar sensibilização.

 

As reações características na pele à picada desses insetos são denominadas prurigo estrófulo ou simplesmente estrófulo, que surge como pequenas placas salientes (pápulas) avermelhadas em grupos de cinco ou seis, com coceira (prurido). Em quase todas as lesões, as pápulas avermelhadas apresentam pontos minúsculos de sangue que são substituídos por bolhinhas de líquido claro (microvesículas).

 

Um fato interessante, é que existem famílias de pulgas diferentes para diversas espécies animais, como a pulga do cão, a pulga do gato, a pulga do homem e até a pulga da galinha e do pombo. O fator importante é que a pulga do cão dá “preferência” a picá-lo e só vai picar o homem quando o cão é afastado e ela fica sem alimento. Por isso, algumas vezes quando afastamos o cão, o alérgico à picada de pulga piora temporariamente dos sintomas, pois as pulgas passam a atacá-lo.

Vespa, Marimbondo, Formiga e Abelha - Alergolatina

vespas/marimbondos, formigas e abelhas

 

As abelhas, vespas, marimbondos e formigas são insetos que injetam venenos (himenópteros) capazes de provocar reações alérgicas, que vão desde simples urticária e reações locais, até reações gerais graves como o choque anafilático.

Baratas e Insetos - Alergolatina

baratas e restos de insetos

 

As escamas, pelos e secreções de insetos podem, quando inaladas, produzir sintomas alérgicos no aparelho respiratório.

 

Frequentemente têm-se encontrado casos de testes positivos para as baratas. Nesses insetos, as frações alergizantes são principalmente as fezes e uma secreção que produzem e que vão se espalhando por onde elas caminham. As fezes, as secreções e os corpos das baratas mortas secam e viram pó, misturando-se à poeira, provocando reações alérgicas.

Pêlos e Penas de Animais - Alergolatina

pêlos e penas de animais

 

Os pêlos, a saliva e descamações de pele (caspa) de cães e gatos são os causadores de alergia a esses animais. É mais correto dizer que a reação alérgica é ao epitélio desses animais (caspas), e não somente aos pelos.

 

O exame microscópico da poeira de qualquer local de uma residência onde haja cão ou gato mostra a presença da caspa desses animais. A caspa é disseminada no ar e deposita-se nos móveis, travesseiros, tapetes, etc.

 

Logo, o paciente sensível terá sintomas, mesmo sem a presença do animal.

 

O indivíduo sensível ao epitélio de cão não é, necessariamente, sensível ao epitélio do gato ou vice-versa. Nos habitantes da cidade é rara a sensibilidade ao pêlo de outros animais, como boi, cavalo, cabra e coelho.

 

Penas de galinha, pato, pombo e outras aves agem como alérgenos e só não são sensibilizantes comuns porque ocorre pouco contato com elas, sobretudo nas cidades. Muitos casos de asma já cederam completamente com o simples afastamento de um travesseiro de penas.

Polens - Alergolatina

polens

Os polens são grãos microscópicos de plantas, destinados à fecundação destas. Os polens de certas espécies são levados pelo ar em grande quantidade durante determinada época do ano. É o chamado período de polinização.

 

Os polens raramente provocam sensibilizações entre nós. Entretanto, em alguns países como os Estados Unidos e certas regiões da Europa, eles produzem a “febre do feno”, uma reação alérgica a pólen que chega a atingir de 2 a 7% da população.

 

A “febre do feno” quase não é relatada no Brasil, devido ao pequeno teor de polens na sua atmosfera. No entanto, existem determinados capins (gramíneas), que, pelo volume de polens lançados no ar em seus períodos de polinização, poderiam produzir sensibilizações importantes.

Alimentos - Alergolatina

alimentos

Os alimentos atuam como alérgenos, de um modo geral, quando ingeridos. Raramente ocorrem reações pela inalação (ao odor ou quando seco e em pó) ou pelo contato direto do alimento com a pele.

 

Com a ingestão, eles produzem, na maioria das vezes, sintomas alérgicos no aparelho digestivo. Alguns alimentos só provocam alergia quando cozidos e outros só quando crus. Em certos casos é necessário, para o aparecimento dos sintomas, a exposição a fatores como, por exemplo, exercícios físicos.

 

Muitas vezes, a alergia observada a um alimento é devida a componentes que lhe são adicionados, como inseticidas, conservantes e compostos para dar coloração, sabor e outras qualidades aos produtos.

 

Os alimentos mais frequentemente responsáveis por quadros de alergia são:​

 
 
Medicamentos - Alergolatina

medicamentos

 

Embora qualquer medicamento possa provocar manifestações clínicas de alergia, alguns se destacam, pela frequência, como a aspirina e outros antiinflamatórios, e pela gravidade, como a penicilina.