topo Alergolatina

extratos alergênicos para diagnósticos e imunoterapia.

Ao escolher trabalhar com os extratos Alergolatina, tenha a certeza de estar optando por produtos confiáveis, elaborados de acordo com protocolos padronizados, sob estrito controle de qualidade e obedecendo as normas da ANVISA.

 

Nossos alérgenos são extraídos a partir de matérias primas adquiridas ou cultivadas sob condições controladas, preferencialmente oriundas de nosso país, apresentando uma eficácia comprovada por seis décadas de bons resultados.

 

Colocamos a seu dispor nosso Departamento Técnico-Científico (dtc@alergofar.com.br) para orientações e informações sobre o uso dos nossos produtos.

 

Caso necessite de alguma informação adicional, fique à vontade para consultar o nosso tele atendimento no número (21) 2570-4346 ou pelo celular/whatsapp (21) 98900-4980. Teremos sempre o maior prazer em atendê-lo. Atenção absoluta ao cliente e profundo respeito por ele são valores dos quais nos orgulhamos.

Catálogo Impresso Alergolatina

catálogo de formulações 

solicite na versão digital ou impresso

 
Teste de Puntura Alergolatina

teste diagnóstico de puntura

baixe o conteúdo completo
 
 

O diagnóstico das alergias mediadas por anticorpos tipo E (IgE) implica na identificação dos alérgenos aos quais o paciente é sensível, identificação essa, essencial para uma correta recomendação do controle de ambiente, assim como para o sucesso da imunoterapia. Para esse fim são utilizados testes cutâneos de puntura e/ou intradérmicos. O teste de puntura é o teste cutâneo inicial e o mais comumente usado na prática da alergia clínica.

 

Apresentação

  • ​Apresentação: frasco-ampola neutro classe 1, âmbar, com tampa de rosca e conta-gotas de vidro neutro.

  • Veículo: glicerina bidestilada em solução fisiológica (cloreto de sódio a 0,9%).

  •  Volume:  1,5 a 3 mL.

  • Número de testes por frasco: 30 a 60 testes.

  • Unidade de padronização: peso por volume (p/v), conteúdo proteico total (µgP/mL) ou Unidade de Reatividade Cutânea (URC), dependendo da natureza dos extratos.

  • Conservação: entre 2 e 10°C.

  • Validade: 18 meses a partir da data de manipulação

 

 

Alérgenos disponíveis e coleções sugeridas


A Alergolatina oferece uma variedade de alérgenos para uso em testes cutâneos de puntura, disponibilizados avulsos ou agrupados em coleções pré-definidas considerando os antígenos alergizantes mais prevalentes no Brasil.

Técnica de aplicação

  1. Colocar uma gota de cada extrato alergênico e dos controles positivo (solução de histamina a 10 mg/mL) e negativo (solução diluidora) sobre a pele, devidamente limpa, da região anterior do antebraço, a pelo menos 5 cm do punho e 3 cm da fossa cubital. O espaço entre cada gota deve ser de 2 a 2,5 cm e deve-se evitar veias superficiais;

  2. Perfurar a pele através da gota usando uma lanceta estéril, ou outro instrumento similar, em um ângulo de perfuração que pode variar de 45° a 90°. Usar sempre uma lanceta nova para cada gota de extrato, para evitar contaminação cruzada entre os extratos e a transmissão de agentes infecciosos;

  3. Levantar gentilmente a epiderme, para que seja criada uma pequena ruptura, fazendo com que aproximadamente 3 μl da solução penetre;

  4. Em um período de 2 a 5 minutos após a perfuração, retirar o excesso da gota utilizando papel absorvente ou algodão. Se houver reação adversa intensa na pele, retirar o extrato imediatamente. Cuidado para não arrastar o extrato para a região do teste adjacente.

 

 

Leitura dos resultados

  1. A leitura é realizada 15 minutos após o início do teste, para avaliação de reações imediatas;

  2. Os resultados dos testes de puntura são obtidos através da medida, em milímetro, dos diâmetros ortogonais das pápulas, utilizando uma régua, seguido do cálculo da média aritmética desses diâmetros;

  3. No geral, um resultado é positivo quando se tem a presença de uma reação 2 a 3 mm maior que a observada no controle negativo;

  4. Alguns médicos utilizam um formato de classificação da reação resultante do teste usando cruzes 2, como: (+) pápula ligeiramente maior que o controle negativo e eritema moderado; (++) pápula com o dobro do tamanho do controle negativo e eritema acentuado; (+++) pápula maior que o dobro do tamanho do controle negativo, com aproximadamente 1 cm de diâmetro e eritema acentuado; e (++++) pápula com mais de 1 cm de diâmetro, de contorno irregular (com pseudópodos) e eritema acentuado.

Texte Intradérmico Alergolatina

teste diagnóstico intradérmico

baixe o conteúdo completo
 

O diagnóstico das alergias mediadas por anticorpos tipo E (IgE) implica na identificação dos alérgenos aos quais o paciente é sensível, identificação essa, essencial para uma correta recomendação do controle de ambiente, assim como para o sucesso da imunoterapia. Para esse fim são utilizados testes cutâneos de puntura e/ou intradérmicos. O teste intradérmico é o teste cutâneo mais sensível, sendo indicado, no geral, quando os testes de puntura derem negativos, mas a história clínica de exposição ao alérgeno é evidente.

 

Apresentação

  •  Apresentação:  frasco-ampola neutro classe 1, âmbar, com tampa de borracha butílica e lacre de alumínio autoclavável.

  •  Veículo:  ácido fênico 0,4% em solução fisiológica (cloreto de sódio a 0,9%).

  • Volume: 1,5 a 3 mL.

  • Número de testes por frasco: 10 a 20 testes.

  • Unidade de padronização: peso por volume (p/v), conteúdo proteico total (µgP/mL) ou Unidade de Reatividade Cutânea (URC), dependendo da natureza dos extratos.

  • Conservação: entre 2 e 10°C.

  • Validade: 12 meses a partir da data de manipulação.

 

 

Técnica de aplicação

  1. Separar seringas de pequeno volume, descartáveis e com agulhas de 0,45 x 13 mm. A seringa deve ser individual (para cada aplicação e cada indivíduo);

  2. Preencher as seringas com um volume de 0,02 a 0,05 ml de cada extrato alergênico, do controle positivo (solução de histamina a 0,1 mg/mL) e do controle negativo (solução diluidora);

  3. Realizar rigorosa assepsia da pele (com álcool a 70%);

  4. Com a seringa quase na horizontal (a 10° da superfície da pele) e com o bisel para cima, injetar a solução nas primeiras camadas da pele, imediatamente após a ponta da agulha desaparecer. Aplicar na superfície anterior do antebraço e deixar um espaço de pelo menos 5 cm entre cada injeção. Após a aplicação é ideal que apareça uma pápula inicial de aproximadamente 3 mm;

  5. Deve-se ter atenção para não atingir vasos sanguíneos, o que poderia levar a reações sistêmicas. Pode-se aspirar a seringa antes de injetar o extrato para ver se vem sangue, como uma medida de precaução.

 

 

Leitura dos resultados

  1. A leitura é realizada 15 minutos após o início do teste, para avaliação da resposta imediata e, se necessário, também de seis a 24 horas depois, para análise de reações cutâneas tardias;

  2. Os resultados dos testes intradérmicos são obtidos através da medida, em milímetro, dos diâmetros ortogonais das pápulas, utilizando uma régua, seguido do cálculo da média aritmética desses diâmetros;

  3. No geral, um resultado é positivo quando se tem a presença de uma reação 2 a 3 mm maior que a observada no controle negativo;

  4. Alguns médicos utilizam um formato de classificação da reação resultante do teste usando cruzes 6, como: (+) pápula ligeiramente maior que o controle negativo e eritema moderado; (++) pápula com o dobro do tamanho do controle negativo e eritema acentuado; (+++) pápula maior que o dobro do tamanho do controle negativo, com aproximadamente 1 cm de diâmetro e eritema acentuado; e (++++) pápula com mais de 1 cm de diâmetro, de contorno irregular (com pseudópodos) e eritema acentuado.

Teste de Contato Alergolatina

teste diagnóstico de contato

baixe o conteúdo completo
 

Os testes cutâneos de contato ou patch tests são os testes de escolha para se identificar antígenos de contato. O teste consiste em aplicar, diretamente na pele do paciente, os antígenos suspeitos de causar a lesão cutânea, seguido da análise e interpretação das áreas de dermatite produzidas por eles. É considerada, dessa forma, um teste de provocação ao contactante.

 

Apresentação

  • Apresentação:

(A) tradicionais – frascos ampola, âmbar, com tampa de rosca, contendo 1,5 ou 3 g da substância a ser testada
(B) discos impregnados – frascos ampola, âmbar, com tampa de rosca, contendo 20 ou 40 discos de feltro, impregnados da substância a ser testada
(C) seringas rosqueáveis – seringas de polipropileno, contendo 1,5, 2,5 ou 3,5 mL da substância a ser testada.

  • Veículo: vaselina ou gel de carboximetilcelulose.

  • Conservação: entre 2 e 10°C.

  • Validade: 12 meses a partir da data de manipulação.

 

 

Contactantes disponíveis e coleções sugeridas

A Alergolatina oferece uma variedade de antígenos para uso em testes cutâneos de contato, disponibilizados avulsos ou agrupados em coleções, criadas e aperfeiçoadas observando-se as publicações do International Contact Dermatitis Research Group (ICDRG), do Grupo Brasileiro de Estudos em Dermatite de Contato (GBEDC) e da equipe de alergistas da Policlínica Geral do Rio de Janeiro, considerando, dessa forma, as substâncias de contato mais prevalentes no Brasil.

Técnica de aplicação

  1. Listar as substâncias a serem testadas, numerando-as, sequencialmente, em uma ficha de controle;

  2. Separar contensores para teste de contato, numerar os discos e colocar uma substância diferente em cada disco, seguindo a ordem numérica da ficha de controle;

  3. Aplicar o contensor com os antígenos direto na pele do dorso, à 2,5 cm, lateralmente, da coluna vertebral, em uma área livre de lesões ou pelos e previamente desengordurada. Não molhar o local do teste e só retirar o contensor se houver reações intensas desconfortáveis, com prurido ou queimação;

  4. Retirar o contensor após 48 horas, limpar a região com álcool a 70%, expor o local dos testes à luz solar ou luz ultravioleta por 30 minutos e realizar a primeira leitura do teste;

  5. Realçar os limites do teste com caneta especial (de retroprojetor, por exemplo) – o paciente poderá repetir a marcação para evitar que seja apagada – e após mais 24 a 48 horas, realizar a leitura definitiva do teste (total de 72 a 96 horas da realização do teste).

Vacina Sublingual Alergolatina

vacina antialergia sublingual

baixe o conteúdo completo
 
 

As nossas vacinas são manipuladas a pedido do médico ou com prescrição médica individual, para que a sua composição e diluição sejam as ideais para cada paciente, conferindo dessa forma segurança e eficácia no tratamento.

 

Apresentação

  • Apresentação: frascos conta-gotas de polietileno.

  • Veículo: glicerina bidestilada em solução fisiológica (cloreto de sódio a 0,9%).

  • Volume: 10 mL.

  • Unidade de padronização: peso por volume (p/v), conteúdo proteico total (µgP/mL) ou Unidade de Reatividade Cutânea (URC), dependendo da natureza dos extratos.

  • Conservação: entre 2 e 10°C.

  • Validade: 12 meses a partir da data de manipulação.

 

 

Esquema de tratamento

O esquema de tratamento indicado no quadro deve ser considerado como recomendação geral, devendo ser ajustado para cada paciente.

Tabela Vacina Sublingual Alergolatina

* No geral, a vacina antialergia ´´fraca`` é padronizada de modo a ser a concentração inicial do tratamento (fase 1). No caso de o paciente apresentar alta sensibilidade aos alérgenos, deve-se iniciar a imunoterapia com a vacina ´´especial``, que é dez vezes mais diluída.

** URC = unidade de reatividade cutânea.

*** μgP = micrograma de proteína.

Método de administração

A imunoterapia via sublingual deve ser administrada da seguinte forma:

  1. Aplicar as gotas da vacina na região sublingual (região entre os dentes e os lábios - vestíbulo da boca). A quantidade varia a cada caso;

  2. Administrar preferencialmente em jejum, cinco minutos antes das refeições ou de lavar a boca. Aplicar sempre no mesmo horário, se possível;

  3. Permanecer com a vacina sob a língua por dois a três minutos, para depois engolir;

  4. Se houver contato da vacina com as mãos, lavá-las para evitar possível contato com os olhos e com o nariz, o que poderia acarretar reações alérgicas.

Vacina Injetável Alergolatina

vacina antialergia injetável

baixe o conteúdo completo
 

Compostas de extratos alergênicos purificados, diluídos em solução salina fenicada.

As nossas vacinas são manipuladas a pedido do médico ou com prescrição médica individual, para que a sua composição e diluição sejam as ideais para cada paciente, conferindo dessa forma segurança e eficácia no tratamento.

 

Apresentação

  • Apresentação: frasco-ampola neutro classe 1, âmbar, com tampa de borracha butílica e lacre de alumínio autoclavável.

  • Veículo: ácido fênico 0,4% em solução fisiológica (cloreto de sódio a 0,9%).

  • Volume: 5 mL.

  • Unidade de padronização: peso por volume (p/v), conteúdo proteico total (µgP/mL) ou Unidade de Reatividade Cutânea (URC), dependendo da natureza dos extratos.

  • Conservação: entre 2 e 10°C.

  • Validade: 12 meses a partir da data de manipulação.

 

 

Esquema de tratamento

O esquema de tratamento indicado no quadro abaixo deve ser considerado como recomendação geral, devendo ser ajustado para cada paciente.

Tabela Vacina Injetável Alergolatina

* No geral, a vacina antialergia ´´fraca`` é padronizada de modo a ser a concentração inicial do tratamento (fase 1). No caso de o paciente apresentar alta sensibilidade aos alérgenos, deve-se iniciar a imunoterapia com a vacina ´´especial``, que é dez vezes mais diluída.

** URC = unidade de reatividade cutânea.

*** μgP = micrograma de proteína. 

Método de administração

A imunoterapia injetável deve ser administrada da seguinte forma:

  1. Separar seringa de pequeno volume, descartável e com agulha de 0,45 x 13 mm. A seringa deve ser individual (para cada aplicação e cada indivíduo);

  2. Após rigorosa assepsia de pele, realizar a injeção no tecido subcutâneo, de preferência na porção lateral ou posterior do braço (junção entre os músculos deltóide e tríceps, ou seja, entre o cotovelo e o ombro);

  3. Pinçar e levantar a pele para facilitar o acesso ao tecido subcutâneo, evitando injeções intramusculares ou intravenosas;

  4. Deve-se ter atenção para não atingir vasos sanguíneos, o que poderia levar a reações sistêmicas. Pode-se aspirar a seringa antes de injetar a vacina para ver se vem sangue, como medida de precaução.

Vacina AP05 Alergolatina

vacina antialergia de ação prolongada (AP05)

baixe o conteúdo completo
 

Compostas de extratos alergênicos purificados, adsorvidos em gel de hidróxido de alumínio, permitindo uma absorção mais lenta dos antígenos e possibilitando um maior intervalo entre as doses.

 

As nossas vacinas são manipuladas a pedido do médico ou com prescrição médica individual, para que a sua composição e diluição sejam as ideais para cada paciente, conferindo dessa forma segurança e eficácia no tratamento.

 

Apresentação

  • Apresentação: frasco-ampola neutro classe 1, âmbar, com tampa de borracha butílica e lacre de alumínio autoclavável.

  • Veículo: ácido fênico 0,4% em solução fisiológica (cloreto de sódio a 0,9%) e gel de hidróxido de alumínio.

  • Volume: 5 mL.

  • Unidade de padronização: peso por volume (p/v), conteúdo proteico total (µgP/mL) ou Unidade de Reatividade Cutânea (URC), dependendo da natureza dos extratos.

  • Conservação: entre 2 e 10°C.

  • Validade: 12 meses a partir da data de manipulação.​

 

 

Esquema de tratamento

O esquema de tratamento indicado no quadro abaixo deve ser considerado como recomendação geral, devendo ser ajustado para cada paciente.

Tabela Vacina AP05 Alergolatina

* No geral, a vacina antialergia ´´fraca`` é padronizada de modo a ser a concentração inicial do tratamento (fase 1). No caso de o paciente apresentar alta sensibilidade aos alérgenos, deve-se iniciar a imunoterapia com a vacina ´´especial``, que é dez vezes mais diluída.

** URC = unidade de reatividade cutânea.

*** μgP = micrograma de proteína. 

Método de administração

A imunoterapia injetável deve ser administrada da seguinte forma:

  1. Separar seringa de pequeno volume, descartável e com agulha de 0,45 x 13 mm. A seringa deve ser individual (para cada aplicação e cada indivíduo);

  2. Após rigorosa assepsia de pele, realizar a injeção no tecido subcutâneo, de preferência na porção lateral ou posterior do braço (junção entre os músculos deltóide e tríceps, ou seja, entre o cotovelo e o ombro);

  3. Pinçar e levantar a pele para facilitar o acesso ao tecido subcutâneo, evitando injeções intramusculares ou intravenosas;

  4. Deve-se ter atenção para não atingir vasos sanguíneos, o que poderia levar a reações sistêmicas. Pode-se aspirar a seringa antes de injetar a vacina para ver se vem sangue, como medida de precaução.

Padronização Alergolatina

padronização biológica

 
Unidade de Reatividade Cutânea

 

A Unidade de Reatividade Cutânea (URC) é um método de padronização de extratos, utilizado para titular a potência alergênica dos nossos extratos, por comparação biológica, devido aos seguintes fatos:

 

- A maioria das proteínas dos extratos alergênicos não são antigenicamente ativas.

 

- Extratos preparados a partir dos mesmos antígenos e com dosagens do nitrogênio protéico (PNU) idênticas, podem diferir em mais de 100 vezes em suas atividades biológicas.

 

- A atividade biológica de alguns antígenos diminui progressivamente com o tempo, sem que haja alterações nas titulações realizadas por outros métodos.

 

- Proteínas estranhas não relacionadas ao antígeno podem estar presentes nos extratos, não sendo raro se encontrar fragmentos de insetos, alimentos e caspa humana na poeira domiciliar, assim como a contaminação de determinado extrato pelo meio de cultura ou nutrientes.

Síntese do método

 

1 - São selecionados 10 (dez) indivíduos com reação forte positiva (++++ = diâmetro da pápula maior que 6 mm com pseudópodos) ao extrato a ser titulado, utilizando o método de puntura.

 

2 - São realizados, em cada um, testes de puntura com o extrato básico (1:1) e nas diluições 1:10, 1:50, 1:100, 1:200, 1:400, 1:800 e 1:1.600.

 

3 - O título de reatividade cutânea para cada indivíduo foi definido de acordo com a última diluição que apresentava reação positiva (+ = pápula maior que 1 mm).

 

4 - A unidade de reatividade cutânea representa a quantidade do alérgeno ativo por teste presente na diluição que ocasionou reações cutâneas (+) em cerca de 50% dos indivíduos testados.

como adquirir nossos extratos

Envie seu pedido e receba com segurança

Produto Alergolatina
foot Alergolatina