topo Alergolatina

tipos de teste cutâneos

Os testes cutâneos para alergia são testes de diagnóstico realizados na pele e são importantes exames complementares para a identificação da causa das alergias.

 

O objetivo desses testes é descobrir ou confirmar quais alérgenos indicados pelo médico na avaliação clínica são capazes de gerar resposta alérgica no paciente.

 
Teste de Puntura - Alergolatina

teste de puntura

 

O teste cutâneo de puntura ou prick test consiste em fazer uma pequena perfuração na superfície da pele através de gotas contendo pequenas quantidades de alérgenos.

 

É o teste cutâneo inicial e o mais comumente usado para diagnosticar alergias, pincipalmente quando envolve alérgenos inalantes comuns (ácaros e pêlos de cão e gato), alérgenos ocupacionais (persulfato de amônio, sais platinados e látex) e alérgenos alimentares.

 

Comparado com o teste intradérmico, o de puntura é mais seguro (menor chance de reações adversas), menos invasivo e menos desconfortável, além de permitir uma quantidade maior de testes por vez. Há recomendação de que os testes intradérmicos sejam realizados somente após testes iniciais de puntura.

 

Os testes de puntura, em contrapartida, são menos sensíveis que os testes intradérmicos. Isso significa que os resultados de puntura que derem negativos podem, dependendo do caso, necessitar da realização de testes confirmatórios intradérmicos.

 

A leitura é imediata, geralmente 15 minutos após a realização do teste. A resposta do paciente ao extrato alergênico testado é graduado com base no tamanho da reação de pápula e vermelhidão formada.

Teste Intradérmico - Alergolatina

teste intradérmico

 

O teste cutâneo intradérmico consiste em injetar os alérgenos, através de agulhas finas, nas primeiras camadas da pele.

 

Esses testes podem ser do tipo imediatos ou tardios.

 

 

Testes intradérmicos de reação imediata (do tipo imediato):

 

São geralmente realizados para tentar confirmar a alergia quando os testes de puntura derem negativos mas ao mesmo tempo a avaliação clínica sugerir fortemente que a alergia está sendo causada pelo(s) alérgeno(s) testado(s).

 

O teste de puntura é menos sensível que o intradérmico e por isso, em alguns casos, o resultado de puntura negativo pode ser confirmado pelo intradérmico. Um teste intradérmico imediato negativo é altamente sugestivo de que a alergia não está sendo causada pelo alérgeno testado.

 

Comparado com os testes de puntura, os intradérmicos possuem a desvantagem de se realizar uma quantidade menor de testes por vez, além de possuírem maior chance de ocorrência de reações adversas. Há recomendação de que os testes intradérmicos sejam realizados somente após testes iniciais de puntura.

 

A leitura é imediata, geralmente 15 minutos após a realização do teste. A resposta do paciente ao extrato alergênico testado é graduado com base no tamanho da reação de pápula e vermelhidão formada.

 

 

Testes intradérmicos de reação tardia ou de reação do tipo tuberculina (do tipo tardio):

 

São usados nas avaliações da imunidade celular (defesas do organismo) e de hipersensibilidade à fungos (mofo). Consistem na introdução de antígenos de microorganismos agressores via intradémica seguida de uma leitura 48 horas após a injeção. A resposta do paciente ao extrato testado é graduada com base no tamanho da reação de pápula e vermelhidão formada.

 

Um teste positivo pode indicar que o paciente entrou em contato com o microorganismo agressor, foi vacinado previamente contra ele, ou mesmo que está atualmente infectado. Em certos casos evidencia reações de hipersensibilidade a esses microorganismos.

 

Um teste negativo pode indicar que há uma diminuição da imunidade celular, ou seja, alteração no sistema de defesa do organismo.

 

A Alergolatina disponibiliza antígenos bacterianos e micóticos (fungos ou mofos) avulsos, assim como misturas especiais (bacterianos e fungos micóticos mix) para a realização desses testes tardios.

Teste de Contato - Alergolatina

teste de contato

 

O teste cutâneo de contato ou patch test é usado quando há suspeita de dermatite de contato ou de dermatite atópica, que são doenças caracterizadas por aparecimento de eczemas na pele.

 

É considerado o principal teste de diagnóstico para se identificar os chamados contactantes, substâncias que causam alergia na pele. Os contactantes geralmente são componentes comuns dos mais variados materiais ou produtos usados na indústria, em cosméticos, em medicamentos etc.

 

O teste de contato consiste em colocar os contactantes a serem testados diretamente sobre a pele dos pacientes por 48 horas. Geralmente são realizadas duas leituras, uma 48 horas e outra 72 ou 96 horas após a aplicação dos contactantes.

 

São testes precisos pois reproduzem exatamente o modo de ação das substâncias que ocasionaram as lesões na pele. Por exemplo, quando uma pomada é usada na pele para tratar um ferimento e produz um eczema, essa mesma pomada quando colocada sobre a pele íntegra irá produzir uma lesão de eczema idêntica.

 

A Alergolatina oferece distintas baterias para testes de contato, contendo 30 contactantes selecionados em cada. Elas são criadas e aperfeiçoadas observando-se as publicações da International Contact Dermatitis Research Group (ICDRG), do Grupo Brasileiro de Estudos em Dermatite de Contato (GBEDC) e da equipe de alergistas da Policlínica Geral do Rio de Janeiro, considerando dessa forma as substâncias de contato mais prevalentes no Brasil.

 

Dependendo do caso clínico é requerido suplementar as baterias com antígenos avulsos, os contactantes especiais.

Segurança dos Testes Cutâneos - Alergolatina

segurança dos testes cutâneos

 

Reações adversas são sintomas colaterais, normalmente alérgicos, que podem ocorrem após a realização do teste de puntura e principalmente após o intradérmico, geralmente nos primeiros 30 minutos pós teste. A frequencia e a gravidade estão diretamente relacionadas ao tipo e dose do extrato alergênico e o nível de sensibilidade do paciente.

 

Reações locais como pápula e vermelhidão são esperadas e podem persistir por dias. Reações sistêmicas como urticária, rinite, edema de glote e anafilaxia são muito raras, podendo ocorrer principalmente após os testes intradérmicos.

 

Não há contraindicações absolutas para a realização de testes cutâneos. Pacientes com asma não controlada, doenças cardiovasculares e em uso de certos medicamentos, por exemplo, agentes bloqueadores beta-adrenérgicos e inibidores de ECA (enzima conversora de angiotensina), devem ter maior atenção acerca de possíveis reações adversas.

 

Pacientes em uso de certas drogas antialérgicas e imunossupressoras podem apresentar resultados mais fracos, já que essas drogas são capazes de suprimir a formação da reação de vermelhidão e pápula na pele. Por isso a importância do paciente relatar ao médico, durante a avaliação clínica, o seu atual uso de medicamentos.

 

A reação de pápula produzida após os testes intradérmicos e de puntura tende a ser menor em idosos e crianças. A prevalência de testes cutâneos positivos aumenta até os 30 anos, havendo em seguida um declínio, principalmente após os 50 anos (Barbee et al - 1981).

 

O teste de contato é seguro, com rara ocorrência de reações cutâneas disseminadas. Pode ocorrer em alguns casos reações locais intensas e desconfortáveis, de caráter irritativa ou alérgica.